A lipoaspiração é uma das cirurgias plásticas mais procuradas no consultório. Afinal, muita gente deseja se ver livre da gordura localizada. Além disso, existem alternativas indicadas de acordo com as necessidades de cada paciente, como é o caso da minilipo.

E você, já ouviu a respeito dessa cirurgia? Sabe em que situações ela é indicada e quais são os benefícios desta técnica? Então, não perca o post e tire suas dúvidas!

O que é minilipo? 

A minilipo é uma lipoaspiração de pequeno porte. O cirurgião utiliza exatamente o mesmo procedimento de uma lipo convencional. Porém, ele retira um volume realmente mínimo de gordura localizada.

Portanto, durante a cirurgia o médico faz pequenas incisões na pele do paciente. Depois, ele insere cânulas finíssimas sob o tecido cutâneo, alcançando as células de gordura.

Assim que consegue posicionar as cânulas no tecido adiposo, o cirurgião “quebra” essas células com movimentos de vai e vem. Então, ele as aspira com a seringa ou com aspirador de pressão regulada acoplado à cânula.

Nas clínicas, essa cirurgia pode receber também os nomes de hidrolipo, lipo light ou HLPA (hidrolipo aspirativa). Porém, para a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, não existe diferença, já que o procedimento é igual ao da lipo convencional.

Quais são os principais benefícios da minilipo?

Por exigir a retirada de uma quantidade bem pequena de gordura, a minilipo é uma cirurgia rápida. Portanto, é comum os cirurgiões terminarem o procedimento em cerca de 40 minutos. 

A rapidez e a extensão da cirurgia também permitem que o médico utilize apenas uma anestesia local com sedação. Assim, o paciente acorda logo depois do procedimento e, após um curto período de observação, está liberado para voltar para casa.

Finalmente, a minilipo tem uma recuperação rápida. Em poucos dias, a pessoa está pronta para voltar à maioria de suas atividades habituais, como o trabalho e estudos. Por todas essas razões, essa é uma técnica cada vez mais procurada nas clínicas.

Quando a minilipo é indicada?

É importante o paciente saber que nenhum tipo de lipoaspiração serve como tratamento para a obesidade. O objetivo dessas cirurgias não é retirar grandes acúmulos de gordura, mas depósitos pequenos de tecido adiposo que interferem no contorno corporal.

Quando falamos da minilipo, essa limitação é ainda mais acentuada. Afinal, o médico só retira um volume mínimo de gordura, como uma papada discreta, a saliência na parte baixa do abdômen (pochete) ou o culote.

Portanto, a principal indicação da minilipo é a retirada daquela gordurinha discreta, mas teimosa. Ela não é eliminada nem com a mais firme das dietas ou com uma rotina de treinos exaustivos na academia. Então, nesse caso, a cirurgia é a única opção para chegar ao contorno corporal desejado.

Também é importante destacar que a minilipo, assim como nenhuma técnica de lipoaspiração, é indicada para eliminar a flacidez. Quando existem sobras de pele é necessário recorrer a outras cirurgias, dependendo da região do corpo.

Assim, para eliminar a flacidez na barriga, o procedimento é a abdominoplastia. Nas coxas, a retirada do excesso de pele acontece por meio da dermolipectomia, também conhecida como lifting de coxas, e assim por diante.

Embora envolva poucos riscos, a minilipo é uma cirurgia e deve ser feita com toda segurança. Para isso, procure uma clínica de confiança e pesquise o nome do médico no portal da SBCP para saber se ele é certificado e está qualificado para esse tipo de procedimento.

Entendeu em que situações a minilipo é indicada e quais são as limitações desta técnica? Quer saber mais sobre o assunto? Continue aqui no blog e confira nosso post sobre a possibilidade de combinar abdominoplastia com lipo em um único procedimento!