Viajar é sempre bom, mas para quem tem um bichinho de estimação, uma viagem as vezes pode gerar dúvidas. Você sabe como levar seu pet para aproveitar o passeio com você?

Identificar seu bichinho de estimação e ter os documentos de vacinação em dia são as principais dicas para evitar imprevistos. Além disso, já existem leis específicas para o transporte de animais de estimação em ônibus e aviões, as quais além de assegurar a segurança dos viajantes, também garantem o conforto de animais e passageiros.

Viagens rodoviárias com bichinhos de estimação

Para viajar de ônibus, cães e gatos não precisam apresentar o GTA (Guia de Trânsito Animal), mas o dono deve ter em mãos um atestado que comprove as boas condições de saúde do animal e portanto, o documento deve ser emitido no máximo 15 dias antes da viagem por um veterinário.  

Vale lembrar também que em cada ônibus somente dois pets podem ser levados por vez e somente animais de pequeno porte (máximo dez quilos) poderão viajar. 

 Em São Paulo, não é permitido o transporte de animais em ônibus intermunicipais. Caso o dono insista em levar seu animal de estimação, eles estarão sujeitos a pagar uma multa de aproximadamente R$ 180. A única exceção são os cães-guia, que são isentos de pagar taxas extras e sempre poderão acompanhar seu dono.

Viagem de avião com bichinhos de estimação

Segundo normas da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil),  o transporte do seu bichinho de estimação é cobrado à parte e o dono precisa reservar a passagem de seu bichinho com antecedência, pois muitos vôos limitam o número de animais a ser transportados.

Por questão de segurança, algumas companhias aéreas não transportam determinadas raças. Por isso, antes de qualquer coisa, verifique as normas de cada companhia. 

Independente da viagem ser nacional ou internacional, a documentação do animal de estimação deve estar de acordo com as normas da Anac e das companhias aéreas. Além disso, para viagens nacionais, o dono deve apresentar a carteira de vacinação e um atestado de saúde do animal. Já em viagens internacionais, o bichinho deve passar por uma consulta com um veterinário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.