A reconstrução mamária é uma técnica de cirurgia plástica que visa proporcionar às mulheres que fizeram mastectomia devido a um câncer de mama, um novo seio.

Para fazer a reconstrução da mama é levado em conta o tamanho, o formato e a aparência das mamas, resultando na melhora da autoestima, autoconfiança e qualidade de vida da mulher que geralmente se encontra prejudicada após a remoção da mama. Para entender como funciona a reconstrução mamária, confira como ela é feita abaixo:

Como é feita a reconstrução mamária?

 

Existem dois tipos de reconstrução mamária que são feitos com:

 

  1. Prótese de silicone: de realização mais simples, consiste na colocação de uma prótese embaixo pele, que simulará o formato natural da mama;
  2. Retalho abdominal: neste caso, é retirada uma quantidade de pele e gordura da região abdominal para ser colocada na área das mamas. Se não houver o suficiente no abdômen, podem ser usados retalhos das costas ou das pernas.

 

Qual será usado no meu caso? O tipo de reconstrução das mamas será discutido em conjunto com o cirurgião plástico. Essa escolha varia segundo os objetivos da mulher, o tipo de mastectomia que foi realizada (originando a necessidade de reconstrução mamária), e os tratamentos para o câncer (se foi este o caso) que foram realizados.

É possível reconstruir os mamilos também?

 

Muitas vezes, não é possível preservar os mamilos durante a mastectomia. Nestes casos, é possível sim fazer sua reconstrução, mas não no mesmo dia da reconstrução mamária.

É necessário esperar entre dois a três meses após a reconstrução da mama. No entanto, esse processo é muito complexo e apenas um cirurgião plástico muito experiente é capaz de realizar essa técnica.

Mas se não for possível reconstruir o mamilo é possível fazer uma pigmentação no local imitando o desenho das aréolas e mamilos. A técnica utilizada é semelhante à das sobrancelhas. Contudo, é necessário saber se você pode se submeter a essa técnica, que não deixa de ser um tipo de tatuagem.

Quando fazer a reconstrução mamária?

 

O ideal é fazer a reconstrução mamária na mesma cirurgia em que é feita a mastectomia. Dessa forma, a mulher não precisará passar pela fase de adaptação psicológica com relação à sua nova imagem — o que acontece quando o seio é apenas removido.

No entanto, em alguns casos, a candidata à reconstrução mamária precisa complementar seu tratamento de câncer com radioterapia (a ser feita no local onde o tumor estava instalado — as mamas). Neste caso, a radiação tende a atrasar o processo de cicatrização, o que faz com que seja prudente adiar a reconstrução das mamas para segurança da paciente e sucesso do procedimento.

O mesmo se aplica quando o tumor maligno é muito grande e a remoção precisa ser extensa, resultando em pouca sobra de pele após a mastectomia. Com isso, o corpo precisará de um tempo maior para a sua recuperação.

O que fazer para aliviar essa espera que pode ser angustiante? Enquanto a data da reconstrução mamária não chega, a mulher buscar ajuda psicológica (sempre muito eficaz, para diminuir a ansiedade e melhorar o astral) e também pode se valer dos vários modelos de sutiãs com enchimento. Eles ajudarão a elevar a autoestima.

Há modelos bonitos e até com renda, sendo perfeitos para “namorar” (basta que durante a intimidade eles não sejam retirados do corpo). O que vale é se sentir bem consigo mesma e saber que a hora da sua reconstrução mamária chegará.