Quem faz uma cirurgia plástica visa melhorar a estética, certo? Por isso, quando acontece um problema chamado seroma, pode acabar gerando muita frustração, principalmente, em quem espera ver resultados imediatos.

Se você tem dúvidas sobre esse assunto porque esse problema está acontecendo com você, com alguém que você conhece — como com um familiar, por exemplo — ou porque viu algumas informações na internet, leia nosso texto e entenda tudo sobre seroma. Acompanhe!

O que é seroma?

Seroma é o acúmulo de líquido formado embaixo da pele no pós-operatório de cirurgias. Ele deixa a área cicatricial mais alta do que o normal. Este líquido que, em geral, fica junto à cicatriz, tem aparência avermelhada e pode causar dor. Sua composição leva soro fisiológico, linfa e plasma.

O que causa o seroma?

Esse líquido acumulado ao redor da cicatriz é formado pelo extravasamento do fluido que circula nos vasos linfáticos (linfa) e de plasma sanguíneo. Ele pode surgir logo nas primeiras semanas após a cirurgia, ainda no período pós-operatório.

A formação de seroma pode acontecer em qualquer cirurgia. Contudo, ele é mais frequente em operações que envolvem grandes descolamentos de tecidos, como nas cirurgias plásticas de lipoaspiração, abdominoplastia, redução de mamas, colocação de prótese de silicone, entre outras.

Também pode acontecer em grandes cirurgias, como na remoção da mama em casos de câncer. Os procedimentos cirúrgicos que causam lesões em vários tecidos ao mesmo tempo, também são candidatos ao problema, bem como os casos que requerem o uso de drenos após as cirurgias.

Em pessoas que já tiveram o problema em cirurgias anteriores, ele poderá aparecer novamente. Convém informar essa tendência ao cirurgião, antes de realizar a cirurgia.

O seroma pode ser genético?

Não é uma regra, mas o problema é, sim, mais comum em pessoas com pré-disposição genética para o problema. Por isso, se você for fazer alguma cirurgia plástica (ou outra qualquer) de maior extensão, vale a pena perguntar para algum familiar próximo que se submeteu a cirurgias como essas, se ele teve o problema. Assim você poderá informar ao médico que fará sua cirurgia.

Quais são os principais sintomas do seroma?

Os primeiros sinais do seroma incluem:

  • inchaço do local (a área da cicatriz fica mais elevada do que a pele ao seu redor);
  • saída de um líquido avermelhado — ao se misturar ao sangue, logo após a cirurgia;
  • extravasamento de um líquido esbranquiçado ou incolor pela cicatriz;
  • sensação de líquido se movendo na área próxima à cicatriz.

Sintomas mais sérios:

Se o problema não desaparecer naturalmente, deve ser tratado para não resultar em infecção e causar sintomas como:

  • o local pode ficar avermelhado (nem sempre) e aumentar a temperatura ao redor;
  • tom amarronzado se o estágio for crônico;
  • líquido com odor desagradável;
  • dor por toda a área afetada;
  • febre fraca.

Quando o seroma pode aparecer?

A condição costuma surgir entre a primeira e segunda semana após a realização da cirurgia, no espaço entre as camadas de pele. O ideal é que, para evitar que o caso fique mais complicado, procure o quanto antes o médico que realizou a cirurgia.

Quais são as possíveis complicações do seroma?

Se o problema não for tratado — ou se o tratamento não for seguido da forma correta — o líquido acumulado que não é removido poderá endurecer, formando-se uma complicação conhecida como seroma encapsulado. Nesse caso, a cicatriz pode ficar muito feia e o local pode inflamar (ficar avermelhado e com área aquecida) e infeccionar (gerar pus e causar febre).

Quais são as melhores opções de tratamento para o seroma?

Muitas vezes, não é necessário tratar o seroma. São os casos em que o ele é leve, ou seja, se você não sentir dor, apresentar pouco inchaço e houver pouco líquido acumulado. Isso porque, o corpo acabará absorvendo, naturalmente, o excesso de líquido acumulado ao redor da cicatriz e locais próximos. Também pode ocorrer seu extravasamento pela cicatriz. Neste caso, basta fazer a higiene do local conforme a recomendação médica.

Já nos casos em que ocorrem os sintomas citados em um tópico anterior, o tratamento do seroma é realizado com a retirada de todo o líquido que ficou acumulado na região. Para isso, é feito um procedimento que consiste em fazer uma punção. Para isso, é preciso injetar uma seringa com agulha de calibre grosso, sempre com aplicação de anestesia no local. Não se preocupe, esse procedimento não é muito doloroso.

Se o seroma não for tratado adequadamente, o excesso de líquido não removido poderá endurecer, gerando sua forma encapsulada. Além disso, também poderá ser formado um abcesso com pus, devido a uma infecção.

Se já estiver infeccionado, o médico também poderá prescrever antibióticos para complementar o tratamento. Se a área estiver muito inflamada e dolorida ele também poderá receitar anti-inflamatórios e analgésicos. Para tratar procure, preferencialmente, o médico que realizou a operação.

Se estiver encapsulado, ele pode ser tratado de três formas. Uma delas é com o uso de medicamentos chamados corticoides. Há casos em que é necessário fazer uma remoção cirúrgica, que ainda deixará a cicatriz com um aspecto melhor. A terceira maneira de tratar é a ultracavitação. Sendo este um método realizado com ultrassom de alta potência, capaz de chegar até a região a ser tratada formando reações que facilitam a eliminação do líquido.

É possível tratar o seroma em casa?

Ao surgirem os primeiros sintomas, ou nas pessoas que já apresentaram o problema em outras situações, pode-se usar cintas de compressão, o que depende do tipo de cirurgia — como as de abdômen e após cesarianas. Também é recomendável fazer compressas e a correta higienização do local afetado.

Você também pode perguntar ao médico se pode usar pomadas cicatrizantes na região — principalmente se você já teve seroma e quer evitar a recorrência. Também é importante fazer repouso e manter uma alimentação saudável e incluir na dieta alimentos que estimulem a cicatrização. Invista em frutas cítricas como laranja, limão e abacaxi, além de morango, por serem ricos em vitamina C. Aposte ainda nos vegetais verdes escuros, que são ricos em vitamina E, bem como nos de cores alaranjadas, ricos em betacaroteno.

É possível evitar o aparecimento do seroma?

Nem sempre é possível evitar que ele apareça. Mas se você seguir todas as orientações do médico que fez a sua cirurgia, se alimentar bem, manter o local limpo e seco e ainda fizer o repouso recomendado, as chances dele surgir serão menores. O importante é ficar de olho nos sintomas para saber o que fazer se o problema surgir.

Esperamos que você tenha tirado todas as suas dúvidas sobre o que é seroma e demais informações sobre o problema. Quer continuar se informando sobre o tema? Então leia também: Pós-operatório: como evitar e tratar o seroma.