Muitas pessoas se perguntam: “será que é tarde demais para realizar meus sonhos? Será que estou velha demais para isso?” A resposta é não. Nunca é tarde. Idade nunca significou que é impossível

É claro que as histórias de quem faz sucesso cedo nos chama a atenção, afinal, não é toda hora que vemos um jovem de apenas 23 anos se tornar um bilionário, após fundar o Facebook, como fez Mark Zuckerberg, por exemplo.

Você lê histórias de gênios desse tipo e se considera velho demais aos 30, 40 anos para dar uma guinada em sua vida e começar a ir atrás de seus sonhos.

Mas isso não faz sentido! Já passou dos 30 e “acha” que não dá mais tempo de dar uma guinada de vida? É sério isso? Chegou aos 40 e acha que não é possível começar uma nova carreira? Fez 50, 60, ou ainda 70 anos, e acha que já passou da idade de começar uma coisa diferente?

A realidade é: enquanto há vida, há esperança. Não se deixe levar por histórias de jovens incríveis, achando que só porque você não tem a mesma idade, não é capaz.

Inspiração

Correr atrás dos sonhos é sempre válido e não tem data de validade para isso. Quer inspiração? Então procure por pessoas que mudaram suas vidas depois de uma certa idade, e isso nunca os impediu de correr atrás dos sonhos.

Você sabia que a marca mais famosa do mundo – e provavelmente de todos os tempos – foi criada por um sujeito que já tinha 55 anos? John Pemberton criou a coca-cola. Engana-se quem pensa que a ideia foi sendo trabalhada desde sua juventude. Na verdade, sua invenção foi produto de seus pensamentos depois de voltar da Guerra Civil norte-americana.

Ou ainda, você sabia que o WhatsApp foi criado por dois homens, um de 35 e o outro de 37 anos de idade? Pois é, isso é real.

Nos dias atuais, só porque o Facebook, Instagram e Apple foram criados por pessoas bem jovens, muita gente acha que as melhores ideias são produtos de pessoas jovens.

Quem crê nisso, com certeza não conhece Jan Koum e Brian Acton.  Aos 35 e 37 anos, criaram esse aplicativo que quase tudo mundo usa. Além disso, o WhatsApp foi comprado recentemente pelo Facebook por US$ 16 bilhões.

O curioso é que Brian Acton foi rejeitado, ao procurar emprego, primeiro no Twitter, e depois no próprio Facebook.

A lição é clara aqui: inovação não tem data de validade cerebral. E aí, ainda pensa em desistir?