O “peso” identifica toda a massa corpórea formada pelos órgãos internos, ossos, músculos, água, pele e gordura, entre tantos outros componentes

O peso ideal ou teórico para cada pessoa é aquele considerado adequado em função de determinados parâmetros, tais como: altura, sexo, idade, biótipo, hábitos de vida e estado geral de saúde.

Esse número está baseado em dados médios populacionais, mas não deve ser interpretado como algo rígido.

Há várias formas para se calcular o peso ideal. Um exemplo é através da avaliação do biótipo individual, classificado como: normolíneo, longilíneo ou brevilíneo. Nesse caso, o peso teórico ideal é aquele resultante da simples subtração da altura, ou seja: Peso teórico = Altura em cm – 100.

O método atualmente mais adotado pela comunidade médico-científica é o determinado pelo IMC (Índice de Massa Corpórea), proposto pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse cálculo utiliza a altura da pessoa e seu peso atual e o resultado é comparado a uma tabela.

Esses valores não se aplicam para menores que 18 anos, pessoas idosas sedentárias, mulheres grávidas ou amamentando, atletas de competição e fisiculturistas. Assim:

IMC= Peso corpóreo (em kg) /o quadrado da altura (em cm)

Por exemplo, para uma mulher de 1,60 m de altura e 54 kg,

IMC= 54/ 1,60X 1,60= 21,09

Pela tabela da OMS, o peso ideal desta mulher fica entre 18,6 e 24,9 IMC. Se o resultado for menor que 19, ela estará abaixo do peso, se estiver acima de 25, ela terá excesso de peso, sendo que valores superiores a 30 indicam obesidade.

Defina a “composição” ideal para seu corpo

Só estar com o IMC dentro da faixa ideal não significa que seu corpo está com uma composição saudável. É preciso saber mais sobre a qualidade desse peso

O corpo humano pode ser classificado como tendo 2 tipos diferentes de massa: a massa gorda, formada basicamente por gordura, e a massa magra, composta pela musculatura. O ideal é obter um equilíbrio entre esses tipos de composição de massa. Se houver alto índice de massa gorda, é provável que ocorram alterações como aumento do colesterol e nível de triglicérides, hipertensão, diabetes, problemas de coluna e cansaço excessivo, além, é claro, de um comprometimento da aparência.

A medida da gordura corporal é um outro fator importante para avaliar se você está dentro do peso e composição ideal de massa corpórea. Existem equipamentos eletrônicos que realizam tal análise, chamada de bioimpedância, com bastante precisão. Uma corrente elétrica passa pelo corpo através de 2 pares de eletrodos adesivos colocados na mão e no pé direito, sendo que quanto maior for a porcentagem de gordura, maior será a dificuldade para a corrente elétrica atravessar o corpo.

A bioimpedância é útil para informar o percentual de gordura em sua totalidade, medindo tanto a gordura que está debaixo da pele como a que se encontra entre os órgãos. Para completar corretamente a avaliação, deve-se medir também a espessura das dobras cutâneas com um aparelho chamado plicômetro, que exerce uma pressão constante de 10 g/mm² sobre o tecido gorduroso.

E atenção! Uma circunferência abdominal (medida com fita métrica, em pé e no nível do umbigo) maior que 94 cm para homens e maior que 80 cm para mulheres já está associada a um risco aumentado para a saúde, independente de haver excesso de peso.

Em geral, um percentual de gordura corporal entre 13% e 22% para homens e 18% a 27% para mulheres é considerado saudável. Mas para quem pratica exercícios físicos regularmente esses números se alteram entre 6% e 14% para homens e entre 12% e 20% para mulheres.

Veja a tabela exata dos índices recomendados:

Idade   Mulheres   Homens