Se você sempre se incomodou com aquela pintinha na pele, alguma mancha ou cicatrizes de acnes, descubra como a cirurgia dermatológica pode alterar esse quadro.

Seja por motivação estética ou médica, a cirurgia dermatológica tem como objetivo corrigir ou suavizar cicatrizes de acnes, rugas e tumores benignos ou malignos da pele, através de um diagnóstico realizado com base em uma biópsia.

Para entender a necessidade da realização da cirurgia dermatológica, precisamos diferenciar os tipos de lesão e manchas que existem atualmente. Além disso, o procedimento também pode ser realizado com a finalidade de coletar material para verificar doenças.

Tipos de Lesões

Lesões de pele como verrugas (uma só tonalidade e bordas definidas), fibromas e cistos sebáceos são consideradas benignas, podendo ser submetidas à cirurgia dermatológica, de acordo com a orientação médica. Já os nevos podem ser considerados malignos ou benignos, também conforme análise médica. Eles apresentam modificação traumática e espontânea, aumento de tamanho e mudança de coloração. Por esses motivos, são consideradas lesões suspeitas.

Nevos

Conhecidos popularmente como pintas ou manchas, nevo é o termo médico referente a manchas congênitas, que nem sempre são benignas, e em alguns casos, existe a possibilidade de evolução para melanomas.

Veja também: Cirurgia dermatológica: quando ela é indicada?

Diagnóstico através de biópsia

O diagnóstico de algumas doenças de pele pode ser identificado pela biópsia. O procedimento consiste na remoção de um fragmento (selada por uma sutura de 2 ou 3 pontos) e envio desse material a um laboratório. Caso a lesão seja na face, ela se dissipa rapidamente num tempo médio de uma semana. Se for localizada em outras áreas, o período pode se estender por até 15 dias.

Anestesia

A anestesia utilizada na cirurgia dermatológica é, normalmente, a local, com uso de leve sedação. Por ser considerada mais leve que a anestesia geral e peridural, o paciente é liberado em poucas horas.

Riscos

Existe a possibilidade de surgimento de pequenos edemas e hematomas na região tratada. O risco é o mesmo de qualquer outra cirurgia.

Outras indicações para a cirurgia dermatológica

A cirurgia dermatológica também é indicada para tratamentos complementares como laser CO2 e a betaterapia, tratamentos que tendem a diminuir a reincidência e alterações na cicatrização do procedimento. A betaterapia consiste em usar um tipo específico de radiação que anula a proliferação anormal de células colágenas, responsáveis pela cicatrização de quelóides.