O frizz no cabelo pode acabar com qualquer produção, mas você precisa identificar quais são os hábitos que destroem os fios e tratá-los com essas dicas

Make caprichada, aquele look de arrasar quarteirão, perfume marcante, mas epa: que cabelo é esse? Ninguém está livre de se olhar no espelho e ver aqueles fiozinhos rebeldes que detonam o visual, porém, seguindo algumas recomendações, é possível descobrir a origem do frizz, tratar e amenizar o incômodo. Vamos lá?

Causas do frizz

Seus fios estão fracos, sofreram danos químicos (tinturas, progressivas, relaxamentos) ou mecânicos (excesso de escovas ou chapinhas)? Provavelmente, seu cabelo está pedindo ajuda, por isso surge o frizz.

Para recuperar a saúde dos cabelos, o primeiro passo é nutrir. Há quanto tempo você não se preocupa em hidratar o seu cabelo de acordo com o tipo do fio? Seco, oleoso, misto… todos merecem um cuidado específico. O cronograma capilar é uma solução em alta, pois oferece ótimos resultados se o tratamento for seguido à risca. Em casos emergenciais, séruns, óleos e silicones podem ajudar a disfarçar o efeito do frizz.

Se a eletricidade estática insiste em permanecer, preste atenção ao modo como enxuga o cabelo. Toalhas felpudas não são indicadas por causarem um atrito prejudicial à saúde dos fios, podendo até se romper.

Protegendo os fios

Ok, você nutriu, tirou o excesso de água após a lavagem e pronto? Não! Mesmo o atrito contra o travesseiro (durante a média de 8 horas por noite) pode ser muito prejudicial, por isso é recomendado utilizar fronhas de cetim que causam menos atrito nos fios. A proteção térmica ao utilizar secadores e chapinhas também é fundamental. Com esses cuidados, a tendência é que o cabelo apresente menos frizz, já que eliminá-lo totalmente é uma missão (quase) impossível.