Entenda o motivo dessa recomendação e quais as opções para as jovens

Com base em uma diretriz lançada em setembro pela Associação Americana de Pediatria, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) publicou uma recomendação indicando o uso de métodos contraceptivos de longa duração para adolescentes.

A justificativa é que eles são considerados mais eficazes do que a pílula por não precisarem do controle da usuária. A gravidez precoce ocorre por diversos motivos, e um deles está relacionado a erros na tomada do medicamento, como o esquecimento, e com o anticoncepcional de longa duração não há essa preocupação.

De acordo com a ginecologista e obstetra Marta Franco Finotti, presidente da Comissão Nacional Especializada em Anticoncepção da Febrasgo, estudos já comprovaram que não há diferença em implantar métodos contraceptivos de longa duração no corpo de uma adolescente ou de uma mulher mais madura. Ou seja, podem ser investidos por jovens sem nenhum problema.

Entre as opções estão o DIU (dispositivo intrauterino) e o SIU (sistema intrauterino). Eles são indicados para garotas que já iniciaram a vida sexual. Já para as meninas que ainda não tiveram relações sexuais, o indicado é o implante contraceptivo subcutâneo.