A cada descoberta pelos cientistas de novas técnicas que possam melhorar a nossa aparência, levantamos as mãos para o céu, num ato de agradecer a Deus por iluminar a cabeça desses seres!

Quanto mais estudam alguma substância, mais descobrem sobre as suas utilizações e os benefícios que podem trazer a nós, mortais. Um exemplo de evolução na área de estudos da Cosmetologia é o DMAE (dimetilaminoetanol). A substância que foi usada via oral, há 50 anos, para tratar casos de depressão leve, hoje é usada para tratamento da flacidez em forma de cremes e agora na versão injetável.

Na composição de cremes, o DMAE causou alvoroço nos vaidosos de plantão. O produto exerce efeito positivo no combate à flacidez e na melhora geral do aspecto da pele, com efeitos gradativos a longo prazo. Os bons resultados estão relacionados com a diminuição das rugas finas e um efeito “lifting” na pele da face, além de deixá-la mais macia e reduzir a severidade das rugas ao redor dos olhos.

O DMAE na forma injetável promete uma melhora da flacidez quase que imediata. Segundo o especialista em medicina estética Dr. Carlos Alberto Cruz Mello, os efeitos do DMAE injetável são mais rápidos que os de uso tópico. “Os resultados são visíveis já na terceira aplicação”, comenta.

A substância pode ser aplicada em qualquer região em que haja flacidez de pele, a partir dos 30 anos de idade. As áreas mais comuns são o rosto, o pescoço, a parte interna das coxas, nádegas e a parte posterior do braço.

O número de sessões pode variar de 5 a 15, dependendo do tamanho da área e do estado da pele e da flacidez do local. Como as sessões são realizadas uma vez por semana, o paciente deverá intercalar com o uso de cremes à base de DMAE como coadjuvante. “Todo o tratamento estético deve ser associado a práticas saudáveis de vida, como uma alimentação balanceada e atividade física. Sem dúvida, a aplicação do DMAE injetável aliado a esses hábitos irá ajudar a manter uma pele sem flacidez”, alerta Dr. Mello.