Quando dois pontos de vista entram em colisão, o clima pode ficar pesado e prejudicar a convivência. Exatamente por isso é importante saber transformar brigas em conversas produtivas.

O primeiro passo para criar uma conversa produtiva é reconhecer que ninguém é dono da razão. Os conflitos são naturais e surgem de diferentes visões ou necessidades divergentes. Se geridos de forma saudável, podem criar soluções novas.

Confira algumas dicas para transformar uma briga em empatia, e gerar conversas produtivas

1 – Observar o outro e perguntar com interesse real

O primeiro passo é começar a desenvolver um olhar atento para o outro. Além disso, observar como ele está e se está oferecendo sinais – com expressões, gestos, indiretas ou falas bem explícitas – de que alguma coisa não vai bem para ele. Portanto, a dica é não ignorar esses sinais, ao contrário, mostrar interesse e investigar. Ignorar é como deixar pra lá uma dor insistente: uma hora ela cresce tanto que você pode precisar parar tudo para cuidar disso. A casa pode cair. Perguntar com interesse observando os sintomas pode ser muito bom para saúde da relação. E como perguntar com interesse? O que falar? Eu prefiro o mais simples possível: “está tudo bem?”, “como você está?”, “o que está sentindo?”. O que importa não é a frase, é ter a intenção verdadeira de saber como está o outro.

 2 – Acolher a emoção do outro, em vez de contra-atacar

Esse passo exige bastante prática de auto-observação, autocompaixão e menos reatividade, temas de que a gente vai explorar bem mais em próximos posts. Por enquanto, uma ideia simples que pode ajudar muito:  você pode experimentar ouvir além das palavras, escutando uma revelação do outro, em vez de xingamentos ou críticas. Além disso, o diálogo sincero muda tudo. Então pense você: “O que será que o outro quer? O que ele precisa? O que será que está revelando ao dizer isso para mim?”

3 – Estar junto até o outro encontrar o que realmente precisa

O outro é que vai saber se encontrou a sua necessidade mais viva, que tem a ver com a fala do momento. Quando encontra, em geral acontece um certo alívio, um relaxamento no corpo e emoções fortes como a raiva tendem a baixar. Não é uma regra, mas é uma tendência. Portanto, é interessante observar que enxergar a sua necessidade com apoio de alguém que está lá, prestando atenção de verdade, é como passar a ser visto, ser ouvido. Além disso, é bem possível essa seja um dos mais fortes objetivos de quem se expressa tomado pela raiva e com volume de voz acima do normal. Ser visto pelo outro, ser ouvido e ser considerado também. Receber tempo e espaço para essa busca já atende a parte do que está sendo solicitado, muitas vezes.

4 – Abrir espaço para conectar e, só então, criar soluções juntos

Quando as necessidades estão sendo vistas (de todos na conversa), está criado um terreno novo. Como é isso? É um espaço com mais confiança, porque você começa a acreditar que o outro te considera, se importa e que não é preciso se exaltar para ser ouvido. Além disso, é um espaço para vocês dois pensarem em novas possibilidades juntos, de um jeito que os dois possam estar contemplados nas suas necessidades.