O Brasil se tornou o líder mundial quando se fala em cirurgia plástica íntima. O país conquistou a posição em 2017, ano em que foram feitas mais de 21 mil ninfoplastias no país. Em segundo lugar estão os Estados Unidos, com menos da metade desse número — apenas 10 mil procedimentos no mesmo período.

O Brasil se tornou o líder mundial quando se fala em cirurgia plástica íntima. O país conquistou a posição em 2017, ano em que foram feitas mais de 21 mil Ninfoplastias no país. Em segundo lugar estão os Estados Unidos, com menos da metade desse número — apenas 10 mil procedimentos no mesmo período.

Mas afinal, o que leva uma mulher a fazer uma cirurgia plástica em uma parte do corpo que poucas pessoas veem: a região genital? Para que você entenda essa questão, selecionamos cinco fatos sobre esse tipo de procedimento que podem fazê-la mudar seu olhar sobre esse tema. Então, continue a leitura!

1. A cirurgia plástica íntima vai muito além da estética

A preocupação estética é realmente uma das principais causas para a realização de cirurgias plásticas. Porém, esse não é o único motivo que leva as mulheres aos consultórios médicos. Existem problemas com a região genital que também podem ser corrigidos por esse procedimento.

Um exemplo bastante comum é o problema conhecido como queda na bexiga. Ele acontece porque a musculatura da região do períneo se torna flácida. Assim, a mulher passa a apresentar incontinência urinária, além de outros incômodos como a falta de prazer durante o ato sexual.

Porém, esses transtornos têm uma solução cirúrgica: a Perineoplastia, que envolve o estreitamento do canal urinário. Esse procedimento é necessário para que a mulher não passe constrangimentos como a perda de urina. Tanto a retomada desse controle quanto o aumento do prazer sexual têm um impacto significativo na qualidade de vida.

2. A Ninfoplastia pode melhorar a vida sexual

Além da Perineoplastia, outra cirurgia plástica íntima que pode solucionar problemas é a Ninfoplastia. Na verdade, ela envolve procedimentos diversos, que alteram o tamanho ou o formato de regiões como pequenos lábios, grandes lábios, clitóris e púbis.

Muitas mulheres que têm pequenos ou grandes lábios em tamanho alterado sentem dores durante a relação sexual. Portanto, essa diferença gera um impacto em sua vida sexual e até mesmo nos relacionamentos.

Também é possível que, ao ter seu clitóris mais encoberto por gordura nessa região, seja mais difícil estimulá-lo. Assim, a mulher terá uma dificuldade maior para sentir prazer e, na falta de uma estimulação adequada, a relação também se torne dolorosa.

Por todas essas razões, a Ninfoplastia também tem um papel importante na conquista da qualidade de vida. Esse é mais um motivo que tem levado muitas mulheres a buscarem esse tipo de procedimento.

3. A cirurgia plástica íntima costuma ser simples

A maior parte dos procedimentos na região íntima são bastante simples. Lipoaspiração pubiana, redução de grandes ou pequenos lábios e até mesmo a Perineoplastia são rápidas. Assim, essas cirurgias são feitas com anestesia local e sedação, e a duração varia entre 45 minutos a 2 horas.

Entre todas essas cirurgias, a que exige um pouco mais de atenção é a redução do clitóris. Como a região tem um número imenso de terminações nervosas, a perícia do médico é fundamental para manter o máximo da sensibilidade desse órgão.

Por isso, nossa recomendação é que você sempre procure um médico certificado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Isso significa que ele passou por um processo de capacitação durante anos, adquiriu todo o conhecimento necessário para realizar esse procedimento e demonstrou sua capacidade para atuar nessa área.

4. A recuperação é rápida

Três dias após a cirurgia plástica íntima a mulher já pode retomar a maioria de suas atividades. Ela consegue trabalhar, dirigir e realizar esforços leves durante esse período. No entanto, é preciso saber que a região fica inchada, avermelhada e sensível.

Por isso, os médicos recomendam a aplicação de compressas de gelo na região. Esse cuidado reduz o inchaço e o desconforto. Também é necessário interromper a atividade sexual por um período que varia entre 30 e 45 dias, dependendo de cada caso.

A cicatrização completa ocorre em cerca de um mês. Durante esse período, é importante que a mulher higienize a região com água e sabonete não só no momento do banho, mas em cada vez que urinar. Também é necessário utilizar calcinhas largas e de algodão, bem como roupas arejadas, que não apertem a área íntima, como saias e vestidos.

5. O que importa é o seu bem-estar

O que determina a necessidade de uma mulher fazer a cirurgia plástica íntima é seu bem-estar. Se as condições de sua região genital causam qualquer tipo de desconforto ou dor, é seu direito buscar a melhor alternativa para solucionar esse problema.

Portanto, não importa se o seu desejo é motivado por um transtorno físico ou por uma insatisfação estética. Se as mudanças na região íntima atendem às suas necessidades, vale a pena procurar um médico, informar-se sobre os procedimentos adequados para o seu caso e programar sua cirurgia. Afinal, saúde, felicidade e bem-estar vêm em primeiro lugar!

E você, já conhecia esses fatos sobre a cirurgia plástica íntima? Ainda ficou com alguma dúvida? Deixe sua pergunta nos comentários!

Mas afinal, o que leva uma mulher a fazer uma cirurgia plástica em uma parte do corpo que poucas pessoas veem: a região genital? Para que você entenda essa questão, selecionamos 5 fatos sobre esse tipo de procedimento que podem fazê-la mudar seu olhar sobre esse tema. Então, continue a leitura!

1. A cirurgia plástica íntima vai muito além da estética

A preocupação estética é realmente uma das principais causas para a realização de cirurgias plásticas. Porém, esse não é o único motivo que leva as mulheres aos consultórios médicos. Existem problemas com a região genital que também podem ser corrigidos por esse procedimento.

Um exemplo bastante comum é o problema conhecido como queda na bexiga. Ele acontece porque a musculatura da região do períneo se torna flácida. Assim, a mulher passa a apresentar incontinência urinária, além de outros incômodos como a falta de prazer durante o ato sexual.

Porém, esses transtornos têm uma solução cirúrgica: a perineoplastia, que envolve o estreitamento do canal urinário. Esse procedimento é necessário para que a mulher não passe constrangimentos como a perda de urina. Tanto a retomada desse controle quanto o aumento do prazer sexual têm um impacto significativo na qualidade de vida.

2. A ninfoplastia pode melhorar a vida sexual

Além da perineoplastia, outra cirurgia plástica íntima que pode solucionar problemas é a ninfoplastia. Na verdade, ela envolve procedimentos diversos, que alteram o tamanho ou o formato de regiões como pequenos lábios, grandes lábios, clitóris e púbis.

Muitas mulheres que têm pequenos ou grandes lábios em tamanho alterado sentem dores durante a relação sexual. Portanto, essa diferença gera um impacto em sua vida sexual e até mesmo nos relacionamentos.

Também é possível que, ao ter seu clitóris mais encoberto por gordura nessa região, seja mais difícil estimulá-lo. Assim, a mulher terá uma dificuldade maior para sentir prazer e, na falta de uma estimulação adequada, a relação também se torne dolorosa.

Por todas essas razões, a ninfoplastia também tem um papel importante na conquista da qualidade de vida. Esse é mais um motivo que tem levado muitas mulheres a buscarem esse tipo de procedimento.

3. A cirurgia plástica íntima costuma ser simples

A maior parte dos procedimentos na região íntima são bastante simples. Lipoaspiração pubiana, redução de grandes ou pequenos lábios e até mesmo a perieoplastia são rápidas. Assim, essas cirurgias são feitas com anestesia local e sedação, e a duração varia entre 45 minutos a 2 horas.

Entre todas essas cirurgias, a que exige um pouco mais de atenção é a redução do clitóris. Como a região tem um número imenso de terminações nervosas, a perícia do médico é fundamental para manter o máximo da sensibilidade desse órgão.

Por isso, nossa recomendação é que você sempre procure um médico certificado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Isso significa que ele passou por um processo de capacitação durante anos, adquiriu todo o conhecimento necessário para realizar esse procedimento e demonstrou sua capacidade para atuar nessa área.

4. A recuperação é rápida

Três dias após a cirurgia plástica íntima a mulher já pode retomar a maioria de suas atividades. Ela consegue trabalhar, dirigir e realizar esforços leves durante esse período. No entanto, é preciso saber que a região fica inchada, avermelhada e sensível.

Por isso, os médicos recomendam a aplicação de compressas de gelo na região. Esse cuidado reduz o inchaço e o desconforto. Também é necessário interromper a atividade sexual por um período que varia entre 30 e 45 dias, dependendo de cada caso.

A cicatrização completa ocorre em cerca de um mês. Durante esse período, é importante que a mulher higienize a região com água e sabonete não só no momento do banho, mas em cada vez que urinar. Também é necessário utilizar calcinhas largas e de algodão, bem como roupas arejadas, que não apertem a área íntima, como saias e vestidos.

5. O que importa é o seu bem-estar

O que determina a necessidade de uma mulher fazer a cirurgia plástica íntima é seu bem-estar. Se as condições de sua região genital causam qualquer tipo de desconforto ou dor, é seu direito buscar a melhor alternativa para solucionar esse problema.

Portanto, não importa se o seu desejo é motivado por um transtorno físico ou por uma insatisfação estética. Se as mudanças na região íntima atendem às suas necessidades, vale a pena procurar um médico, informar-se sobre os procedimentos adequados para o seu caso e programar sua cirurgia. Afinal, saúde, felicidade e bem-estar vêm em primeiro lugar!

E você, já conhecia esses fatos sobre a cirurgia plástica íntima? Ainda ficou com alguma dúvida? Deixe sua pergunta nos comentários!