A tireóide é uma glândula situada na base do pescoço e tem um papel muito importante na manutenção do peso corporal, do viço da pele e dos cabelos

Além disso, a tireóide também regula todo o metabolismo. Porém, quando a glândula começa a dar sinais de problemas, a harmonia do organismo pode ficar comprometida.

É muito comum surgirem nódulos nessa região. São pequenos caroços endurecidos que se formam ao redor da glândula, podendo ou não alterar a sua função, dependendo de sua natureza maligna ou benigna. Felizmente os tumores malignos na tireóide são raros e representam apenas 5% dos diagnósticos de nódulos. Quando detectada a malignidade do nódulo a cura é completa em 90% dos casos. É importante detectar o problema precocemente e realizar os exames necessários.

Quando o nódulo é detectado por meio de uma ultra-sonografia do pescoço, o médico vai solicitar a punção do caroço para reconhecer a sua natureza. O exame é simples e é realizado com a introdução de uma agulha fina que retira material para biópsia. Quando o nódulo é benigno, o tratamento normalmente é feito com reposição hormonal e exames de controle semestrais. Caso seja detectada a malignidade, aí é necessária a intervenção cirúrgica.

O cirurgião inicia o procedimento retirando uma parte da glândula que vai para biópsia no mesmo momento. A análise do tecido dirá se é necessária a remoção completa da tireóide. Se houver necessidade, a tireóide é completamente removida. A cirurgia é simples e costuma demorar duas horas, em média. No prazo de seis semanas após a cirurgia, o paciente pode ser submetido à iodoterapia, um tratamento que destrói qualquer vestígio de tecido maligno que possa ter restado. O paciente fica internado de dois a quatro dias e a dor no pós-operatório é mínima. A cicatriz na base do pescoço também costuma ser discreta.

O retorno às atividades normais acontece em 2 semanas aproximadamente e o paciente pode levar uma vida absolutamente normal. Apenas será necessária a constante reposição hormonal com levotiroxina a fim de repor os hormônios que não serão mais produzidos pela tireóide.